quinta-feira, novembro 29, 2012

A felicidade... dos outros

Se há coisa que nos distingue dos outros animais, essa "coisa" é o chamado juízo de culpa. Essa capacidade exclusivamente humana da imputação das consequências de um acto. É por isso que às vezes, diante de pensamentos menos bons, cortes na casaca, sessões de serrote... fica sempre aquele sentimento do "ai Mafas! que má-fas!". E também um certo temor pelas consequências - vivo convencida que tenho um canal directo, tal é a rapidez com que o universo me castiga pelos maus pensamentos!

Mas depois há os dias em que um tão grande sentimento de felicidade me convence de que talvez não seja assim tão má pessoa...

Esse sentimento - aproveitando o trocadilho in Vogue - é a felicidade dos outros!

E não de uns outros quaisquer, porque é normal que a felicidade dos nossos seja também nossa. Os outros, mais distantes.

Partilhei dois anos a mesma mesa de almoço, a mesma sala de audiências, os mesmos corredores e até os mesmos 200 km todos os dias. Não somos amigos porque fomos colegas de trabalho e uma dose de distância é sempre conveniente nesta vida de adultos. Partilhámos durante dois anos conversas de circunstância que se tornaram cada vez menos de circunstância e acabámos por emitir cada vez mais opiniões... às vezes daquelas que só os amigos dão! E angústias.

Por isso, hoje, com genuíno orgulho e felicidade, olhei para a lista de admitidos ao CEJ e sorri. Sorri muito. Sorri mesmo muito!

Good news are always good news! Great news are even better!

ps. por isso, natacha maria, ainda que sem barcos ou sem piscina... talvez ainda tenha um lugarzinho... pequeno vá, 16m2 de nuvem já me chegam!

terça-feira, novembro 20, 2012

There is a light that never goes out...

"E desde então, sou porque tu és

E desde então és

sou e somos...

E por amor

Serei... Serás...Seremos..."

Pablo Neruda



É verdade que cinco anos depois temos tanto. Temos a sorte de, vivendo os dois sempre tão fora de casa, nos termos encontrado na nossa cidade e isso nos ter mudado. Hoje sou diferente. Para melhor e para sempre. Há pessoas que nasceram assim: uma para a outra. E ao adormecer e ao acordar, querem todas as horas que existem entre os 2 verbos... Cinco anos depois temos tanto. Construído como se constroem as coisas que constróis. Com trabalho e com amor. Às vezes mais amor...
Sabes que te amo como o mundo sabe que te amo. O que o mundo não sabe é que te amo tanto e os porquês de te amar assim. Mas essa é a parte que não importa.
Sabemos os dois que temos sempre a mesma luz à nossa espera. A nossa manta. A britcom ao Domingo à noite. O restaurante que faz sempre mais cinco anos do que nós. A nossa calma. A nossa pouca-calma. Os nossos sonhos. As nossas conversas. Os nossos olhos postos nos sítios que viajamos e os olhos de cada um para contar ao outro quando ele não está. A roupa que trocamos, a roupa que estendemos. As flores que nos compras na nossa florista. A nossa vista-mar. A nossa vista-Tejo nas horas de Lisboa. Sabemos os dois que há The Smiths ao acordar. Mas também há Bowie e música brasileira e também há música parola e às vezes rimo-nos alto e às vezes baixinho para que os vizinhos não ouçam. E coleccionamos Outonos. Os dois conhecemos a vida que fomos enchendo de tanto; também de lágrimas. E foram tantas que quase te devo um pedido de desculpas por te ter feito sofrer por ti e por mim o que não me coube nos 5 sentidos do meu corpo.
 
Também por isso, agora que a tempestade amainou e os meus sentidos se reajustaram; agora que casámos e os meus nervos se acalmaram; agora que outros planos se eregem em novos sonhos... ambos sabemos que tanto, ainda tanto está por vir. Prometo. E acredita: amo-te. e chega-me!
 
"Take me out tonight Where there's music and there's people Who are young and alive Driving in your car I never never want to go home Because I haven't got one Anymore Take me out tonight Because I want to see people And I want to see lights Driving in your car Oh please don't drop me home Because it's not my home It's their home And I'm welcome no more And if a double-decker bus Crashes into us To die by your side Such a heavenly way to die And if a ten-ton truck Kills the both of us To die by your side Well, the pleasure and the privilege is mine..."