terça-feira, abril 28, 2009

ítaca


Quando abalares, de ida para Ítaca, Faz votos por que seja longa a viagem, Cheia de aventuras, cheia de experiências. E quanto aos Lestrigões, quanto aos Ciclopes, O irado Poséidon, não os temas, Disso não verás nunca no caminho, Se o teu pensar guardares alto, e uma nobre emoção tocar tua mente e corpo. E nem os Lestrigões, nem os Ciclopes, Nem o fero Poséidon hás­‑de ver, a Se dentro d'alma não os transportares, Se não tos puser a alma à tua frente.
Faz votos por que seja longa a viagem. As manhãs de verão que sejam muitas Em que o prazer te invada e a alegria Ao entrares em portos nunca vistos; Hás­‑de parar nas lojas dos fenícios Para mercar os mais belos artigos: Ébano, corais, âmbar, madrepérolas, E sensuais perfumes de todas as sortes, E quanto houver de aromas deleitosos; Vai a muitas cidades do Egipto Aprender e aprender com os doutores.
Ítaca guarda sempre em tua mente.
Hás­‑de lá chegar, é o teu destino.
Mas a viagem, não a apresses nunca. Melhor será que muitos anos dure E que já velho aportes à tua ilha Rico do que ganhaste no caminho Não esperando de Ítaca riquezas. Ítaca te deu essa bela viagem. Sem ela não te punhas a caminho. Não tem, porém, mais nada que te dar. E se a fores achar pobre, não te enganou. tão sábio te tornaste, tão experiente, que percebes enfim que significam Ítacas.
konstantinos kavafis
Post Scriptum: Para a Didi, para a Xu e para a Tita... que a viagem seja longa, seja rica, seja feliz e seja lado a lado... e para a Daniela, a quem nunca dediquei um post, talvez por falta de coragem quando penso que deveria ter sido sempre ao Nosso lado!

segunda-feira, abril 20, 2009

||passion is for passioned people||


&

Dress up dummies for a little while Crash the crash party in real Chicks style Karl and his lens, like to watch King of the Thing, but we don’t give ahh Gucci’s got the monopoly, fifty handbags It’s victim luxury, Voguefied in 0-1 Enough with that fake, it’s said and done Fashion is for fashion people It’s hard to be cool if you don’t follow these rules Fashion is for fashion people Get out there now and break the rules ...
Chicks on Speed

domingo, abril 19, 2009

giz

"If you think education is expensive... try ignorance!"

Derek Boh

quarta-feira, abril 15, 2009

.You are ALL (FAMA) invited.


Pois bem... estou de volta a Lx. Ou será melhor dizer, estou de volta a Alfama?! Whatever. Estou de volta. E numa mistura de emoções acho que este é um regresso feliz. O melhor de tudo? Regressar a uma cidade que mexe. Um ano depois há restaurantes e lojas que abriram (e fecharam). Novos sítios da moda, a querer parecer que nisto de se estar por dentro só mesmo o meu querido Lux se mantém... Nenhum mal nisso. Desde que se mantenham no sítio o sol do Adamastor, as tostas da Graça, o musicol nas Portas do Sol, a Limonada Austríaca do Pois!, a Limonada Suíça do Noobai... e ... e ... e ... sou peixinho dentro de água! À beira Tejo.

Mas enfim. Não resisto a um bom update. E este soube a mel. Senão vejamos:

"Alfama, para que te quero?

O adorável Arcaz Velho faz parte da nova cena nocturna do velho bairro de Alfama. João Macdonald explica tudo.

“Quero que Alfama seja Bairro Alto”, diz um dos clientes do Arcaz Velho, nesta noite que oferece um pouco de Primavera antecipada como quem só pode servir meio copo de um vinho raro. “O Bairro Alto de antigamente”. Aqui no cimo da Calçada do Forte, a meio caminho entre Santa Apolónia e a Feira da Ladra, o passeio está cheio de frequentadores do Arcaz e isto não é certamente uma tasca moderna para jovens ébrios impertinentes. É a belíssima casa de Sofia Petinga, Vítor Andrade, João Araújo (todos actores) e Fernando Veiras (editor de vídeo, e galego de La Coruña). E, como no desejo do tal cliente, eles também pretendem que o Arcaz seja um pedaço de Bairro Alto sem ser no Bairro Alto.
“Todas as pessoas querem vir para aqui, para Alfama”, diz João. As pessoas tanto podem ser fregueses como empreendedores. “Tirando uns quantos bares de referência, o Bairro Alto já não é o que era, portanto...” Portanto esta velhíssima zona da cidade apresenta-se como óptima candidata a novo território hedonístico. Já o é bastante, aliás: do Pois Café na Rua São João da Praça, ao lado da catedral, passando pelo recém-aberto Kuta-Bar, na Travessa do Chafariz d’El-Rei, ao Tejo Bar no Beco do Vigário e à fadistagem contemporânea da Mesa de Frades, na Rua dos Remédios – com tudo isto e boas tavernas à mistura, bem se pode fazer uma entretida passeata que começa na happy hour e termina com um guitarrista a mandar-nos para casa, não sem um sorriso de agradecimento, às seis da manhã.

Note-se que o Arcaz não acabou de abrir. O quarteto atrás referido renovou-o e reabriu-o em Outubro de 2008. Na busca de criar um ambiente de “doce anarquia” – e conseguiram-no –, “uma coisa de Cheer’s”, recebem famílias de amigos, os alfamenses que antes se serviam aqui numa extinta padaria, pára-quedistas de toda a sorte, colegas de profissão (com frequência a trupe do Teatro da Garagem e do Teatro Taborda ocupam a sala) e o ocasional empregado de café em final de dia que precisa de um copo antes de regressar à cama.

A programação musical tanto pode estar nas mãos dos Dezperados ou de Ian Witchell, do Wonderland Club (ele mora ali ao lado) como muito simplesmente na dos amigos. O ecletismo é predominante. Assim o indica também a decoração de objectos reciclados, ou o acolhedor painel em patchwork do artista Juan Porto, ou os curiosos flamingos de outra artista, Elena Corredoira, que embelezam a vista de quem se senta no “cantinho de mamar da boca” (o leitor que peça aos proprietários mais explicações, que esta ainda é uma revista séria).

No departamento dos alcoóis, que se apresenta civilizado, destaca-se o shot de gelatina de chá verde com vodka Zubrowska. As comidas não faltam também: sopas e cremes, tostas especiais (por exemplo, pesto com tomate seco e mozarella), quiches inesperadas – tudo isto com salada, se pedido ; ovos mexidos com salmão, com farinheira, com tomate, com mozarella, com presunto... Brunchs ao fim-de-semana, muito bem constituídos; e ainda tapas e petiscos galegos com material vindo directo do produtor, não fosse o sócio Fernando de tais proveniências. Muito importante: não ignorar a doçaria gourmet da mestre pasteleira Rita Nascimento, autora de um bolo de chocolate cheio de requintes de malvadez, crumble caramelizado de maçã, panna cota de cardamomo, e por aí fora.

Portanto, por que esperam? Para Alfama, e em força! "

in Time Out, Lisboa.

Então já sabem. Estão todos convidados. Venham dar-me beijinhos ao Camarim :)