quarta-feira, junho 30, 2010

futebóis...



Dia de rescaldo. Portugal fora do Mundial. O que até rima mas é triste. Nada que não mude fácil, fácil. Na verdade acho que toda a nossa Nação se habituou a ter de substituir cedo a Selecção do Coração para não perder os motivos para torcer até ao fim por alguém. Porque fala a nossa língua ou porque tem jogadores catitas. Porque joga bem e ganha sempre ou por uma costela qualquer afastada que bom tuga que se preze tem perdida por aí. E porque recusamos ter de acabar com a festa ainda ela começou...

Sendo assim, levantou-se a lebre logo no fim do jodo d'ontem. Até porque era mais porreiro ter unanimidade na selecção da escolha para assim mantermos os pretextos p'ró ajuntamento.

Por isso, e p'ra não perder muito tempo - daqui a pouco o ópio acaba e lá volta a crise às parangonas dos jornais - vou torcer oficialmente pela ARGENTINA. O que é que o mundo tem a ver com isso? Nada. Mas gosto da selecção das pampas:

- Pela Mafalda;
- Por El Pibe;
- Pelo Che!
- Pelo Tango...
- Porque é azul e branca, e

Fundamentalmente:

Porque sim!

P.S. na breve recolha fotográfica que fiz para este pequeno momento jornalístico, descobri que os argentinos passam a vida a fazer montagens de expressões paralelas dos seus dois heróis nacionais - chamam-lhes Marafaldas! Amo*


domingo, junho 27, 2010

2 ou 3 segundos de ternura...

segunda-feira, junho 21, 2010

Next Stop:


... guess what?!

sexta-feira, junho 18, 2010

V actos

Da peça:
|A cada veneno o seu antídoto| por mim

3 actos bons. 1 acto triste. 1 acto assim-assim

Um jogo de futebol
+
Um concerto de amigos
+
Um filme argentino
+
Uma peça com amigas
+
Um Adeus


Certas relações harmoniosas criam-se e duram graças a um sistema complexo de pequenas inverdades, de renúncias, uma espécie de bailado cúmplice de gestos e posturas, tudo resumível no nunca assaz citado provérbio, ou sentença, que muito melhor lhe assenta esta designação, Tu que sabes e eu que sei, cala-te tu, que eu me calarei.
in História do Cerco de Lisboa
José Saramago

n'O ano da morte de José Saramago

segunda-feira, junho 14, 2010

Aconteceu em Lisboa

Naqueles dias de Junho, quando a luz das cidades permanece e as noites mais curtas se fazem longas, há algo que se acende em eterno retorno:

Há um M de mar, um P de praia.
Há um M de mãe, um P de pai.
Há um M de mundo, um P de Porto.
Há um M de mão, um P de pé.
Há um M de multidão, um P de paz.
Há um M de mais, um P de Pelo menos.
Há um M de maior, um de P de pequeno.
Há um M em Amor, um P em paixão.
Há um M de mole, um P de pedra.
Há um M de mim no teu P de Pedro.
E há todas as letras que cabem em Nós...

Ao percorrer as ruas da minha Alfama percebi que me fazem falta as chaves de casa. Parece que ainda ouço o barulho dos nossos passos ao Domingo à noite, as conversas trazidas no saco de papel junto ao pão de Mafra, as tardes calmas, as nossas risadas. São saudades de Lisboa. De tudo o que aconteceu em Lisboa. Da certeza que essa fase acabou. E o cheiro, sempre o cheiro daquela terra quente...

segunda-feira, junho 07, 2010

(this) WeekEnd


grande. desalinhado. destrambelhado. descontraído. com sol. com praia. com festas. farturas. carrinhos de choque. pisaduras. prejuízos. nervos. de festa. de boda. de copos. discutido. desiludido. chateado. despenteado. penteado. vestido. despido. maquiado. desbotado. chorado. gargalhado. decadente. descomprometido. sorridente. dançado. deitada. de olhos abertos. de tapa olhos. de olhos molhados. de olhos pintados. de olhos borratados. de segredos. fotografado. mordido. abraçado. em paz. em guerra. na terra. na lua. no Porto.
No final, por mais irónico que seja, não trocava um só momento por nada deste mundo!