sexta-feira, outubro 31, 2008

Com 1 dia de atraso...


... e dois anos depois.


Quem me conhece sabe que sou menina de festejos. De gargalhada e música. De barulho de garrafa de champagne quando abre. Quem me conhece sabe que gosto da cor, dos confetti, de serpentinas. Quem me conhece sabe que acho que esta vida são dois dias... para viver!
No ano passado, nos festejos oficiais do 1.º ano do meu blog escolhi a imagem de um Tango, para ilustrar a que ritmo gosto de dançar...
Passado mais um ano escolho uma outra paixão. O cinema.
No filme "Os Sonhadores", do Bertolucci, as personagens sentavam-se na 1.ª fila da cinemateca de Paris para serem os primeiros a receber as imagens que vinham da tela. Como se fosse mais puro. Mais inteiro.
As primeiras imagens do meu blog, as primeiras palavras, o significado pensado são para mim. São meus. Mas as cadeiras vazias são daqueles, que sem saber bem como nem porquê, os partilham comigo...
Aos poucos este canto foi-se tornando também ele especial. E ao deixar voar os pensamentos eis-nos aqui em confissões... já não tão adolescentes. Desde muito pequena que rabisco diários, cadernos, folhas de rascunho... e li há pouco que desafar para o ar liberta-nos de muita angústia.
Um dia a Elis Regina desejou à filha Maria Rita, não que fosse feliz , bonita ou rica, mas leve...
É essa leveza que busco. Para que possa sentir sempre nos meus ombros o peso das bolas de sabão!

quarta-feira, outubro 22, 2008

me. today.


segunda-feira, outubro 20, 2008

verdade

"A Felicidade é dizer sempre a verdade sem ter de magoar ninguém"
F. Fellini
- 8 e 1/2 -

Ed accanto a te starò, starò In serenità vivrò, vivrò Una dolce vita, una buona vita Come tu la vuoi, io ti darò...


segunda-feira, outubro 13, 2008

A Crise

"Are we human or are we dancers?" I'm a dancer.


Em resposta à crise mundial, a receita...
P.S.I. só vale para quem não tem acções, não tem investimentos, não sabe o que é capital de risco e poupa relativamente pouco.
P.S.II. faz efeito ao Domingo.
1. Acordar a rir. Ainda que chova.
2. O novo filme dos Cohen. Imperdível.
3. Comer Pipocas. Muitas.
4. Rir ao mesmo tempo da mesma cena no cinema.
5. Pôr música da n/ adolescência aos berros no carro.
6. Dançar essa mesma música com uma coreografia parecida com a da adolescência.
7. Acompanhada.
8. E rir. Piscar o olho. Fazer igual.
9. Zé Carlos. Little Britain.
10. Adormecer a sorrir. A ouvir a chuva.



Qt à música, experimentem esta:

Farewell the ashtray girl
Angelic fruitcake
Beware this troubled world
Control your intake
Goodbye to open sores
Goodbye and furthermore
You know we miss her
We miss her picture
Sometimes it's fated
(We) Disintegrated it
For fear of growing old
Sometimes it's fated
(We) Assassinated it
For fear of growing old
PLACEBO

segunda-feira, outubro 06, 2008

Quando passarem 9 anos...


Passaram 9 anos desde que os meus pequenos pés pisaram pela primeira vez a minha, ainda, pequena faculdade.
Era um terreno de sonhos e de esperança.
Ainda lembro muito bem o sol que estava. As folhas caídas a percorrer no mágico caminho do Campo Alegre. As boleias no dois cavalos do Tiago, que agora tenta chegar à China. As primeiras noites no Piolho. A água gelada da fonte. A voz rouca. O riso.
Um esforço novo para decorar nomes. As viagens feitas à velocidade de 2 autocarros. A felicidade quando me ofereciam boleia para Gaia. Os códigos novos, a cheirar a novo (alguns aqui à frente em cima da secretária...). Os livros velhos e rabiscados do meu pai.
Nessa altura ainda negociava as saídas à noite - uma festa por mês - ainda tinha que chegar a horas - ainda inventava momentos importantíssimos aos quais não poderia faltar nunca, sob pena de perder para sempre uma oportunidade qualquer de fazer qualquer coisa que nem eu sabia bem o que seria porque teria de lá estar para saber!
Nessa altura tinha carta mas não tinha carro. Tinha tempo mas não tinha dinheiro. Podia estar horas e horas sem fazer nada e chegar ao fim do dia cansada...
Ia mais ao cinema. Ia mais ao teatro. Mais tardes à Tavi apanhar sol. Mais vezes buscar bolos ao Augusto.
9 anos depois. Depois do dia em que a Amália morreu.
Balanços? Angústias? Desilusões? Dúvidas? Medos? Objectivos cumpridos?
Nada disso.
Saudade. Como, aliás, sempre disseram que ia ter.
Valem os nomes. Para sempre os nomes. Para sempre as lembranças.
Sobretudo daqueles que 9 anos depois não falham. Estão sempre. Em todas as fotos. Em todos os momentos. Em todos os Outubros. Em todos os Maios...
Disseram-me muitas vezes que os verdadeiros amigos estavam feitos... lá na infância. O que não me disseram é que a infância dura tanto...

sexta-feira, outubro 03, 2008

pelo sim pelo não

E se a forma não acompanha mesmo a função?
- Whoever says being pretty is not a function? -

Foi...

Foi quando estávamos em Santos, com muito Sol, sentadas no murinho e frente-a-frente. À espera de um táxi ou antes das sardinhas... já não sei! Mas sei o que te disse. O que acredito. O que sei que vai acontecer. O quentinho do abraço e o teu brilho no olho por acreditares:

"PESSOAS COMO NÓS SÓ PODEM SER FELIZES"

quarta-feira, outubro 01, 2008

a ponte

- O Porto é só uma pequena praça onde há tantos anos aprendo metodicamente a ser árvore -

Eugénio de Andrade

Só quem cresceu entre as duas margens conhece os lugares secretos da cidade.
A Arrábida não é a minha ponte preferida. Não sei se alguma é. Mas é o único arco que pisei com os meus pés e onde, no alto, olhei o rio inteiro pelo meio...
Também sou o que sou por ser daqui. Por saber a que sabe e a que cheira a "minha aldeia".

"Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?"
Fernando Pessoa