quinta-feira, abril 23, 2015

Regressar


Tenho-me interrogado muitas vezes quanto ao sentido deste meu blog. Neste quase 1 ano e 8 meses afastada do trabalho - e, por via disso, afastada deste acto de sentar a uma secretária de olho nas teclas - tenho a sensação de tudo ter mudado e de já nada ser como dantes neste mundo da blogosfera. Hoje em dia até há uma profissão de blogger, sacam-se números de visitas e publicidades, ganha-se dinheiro e presentes... Não tenho críticas quanto a isso. Só não é esse o meu mundo e este não é um blog "desses".

É um diário. É um diário de uma jornada que é a minha vida, simplesmente. A vida de quem acha graça a escrever e de quem se sente bem com isso. Na pura obrigação de escrever nada.

Posto isto. E se volvido este tempo ainda houver lugar para isso, vamos a isso!

Em vésperas do meu regresso aos tribunais, em casa dos meus pais, encontrei um livro daqueles de que, por se gostar tanto, se quer guardar para os filhos. Como agora até já tenho dois filhos, trouxe-o comigo. Ao abri-lo deparei-me com um inquérito, datado de Janeiro de 1993; um inquérito? Bem, digamos tratar-se de um questionário para o futuro, pois que se consubstancia numa série de perguntas à minha própria pessoa! ... À pergunta que profissão queres ter quando fores grande, eu respondi: - Juíza ou actriz.

O tempo passou. O teatro de que tanto gosto passou pela minha vida, lado a lado, mas não me reteve para além do passar tempo.

Ficou-me o gosto pelo palco e pela estreia.

E talvez, por isso, esta sucessão de estreias que é a minha vida...

Agora pelo Minho. Pelo Alto e Verde Minho. De olhos posto neste rio que só me traz boas memórias...